Skip to content

Golpes e Contra Golpes na América Latina: Equador e Honduras

13/10/2010

BOLETIM n° 8/2010 –  ESPECIAL EQUADOR E HONDURAS

Nesta edição:  Maria Lucia Fatorelli (coordenadora da Auditoria Cidadã da Dívida), Jorge Estrella (Ministério de Coordenação Política do Equador), Pedro Fuentes (Secretário de Relações Internacionais do PSOL), Dick e Mirian Emanuelsson (repórteres da FNRP de Honduras), Joana Salém Vasconcelos (da equipe de Relações Internacionais/PSOL).

 INTRODUÇÃO

Golpes e “Contra golpes” na América Latina

 Por Pedro Fuentes, Secretário de Relações Internacionais do PSOL

  1. Esta edição do Boletim da Secretaria de Relações Internacionais do PSOL está dedicada a recente tentativa de golpe de Estado no Equador e à situação da resistência hondurenha contra o resultado do golpe de Estado em Honduras (o governo Porfírio Lobo). Ambas são experiências novas de golpe ou tentativa de golpe que ocorreram nos últimos anos e que se somam ao golpe na Venezuela em 2002, e ao levante da burguesia Boliviana em 2008, nos departamentos chamados medialuna. ……LEIA MAIS

 

EQUADOR

Equador Soberano: A experiência da Auditoria Oficial da Dívida Pública equatoriana e a recente tentativa de golpe de Estado

Por Maria Lúcia Fatorelli, cordenadora da Auditoria Cidadã da Dívida e integrante da Comissão para a Auditoria Integral do Crédito Público (CAIC) do Equador.

No ano de 2007, o presidente Rafael Correa criou a Comissão para a Auditoria Integral do Crédito Público (CAIC), cuja atribuição foi a realização da auditoria oficial da dívida pública do país – tanto interna quanto externa; seus impactos sociais, ambientais e econômicos. Essa atitude soberana foi um passo fundamental em direção à conquista da verdadeira independência da América Latina, ao mesmo tempo em que significou uma vitória dos movimentos sociais que há décadas lutam pela auditoria da dívida pública, que consome a maior parcela dos recursos orçamentários. ……LEIA MAIS

 

Equador e o bolivarianismo: crônica de um golpe derrotado

Por Joana Salém Vasconcelos, equipe de Relações Internacionais PSOL

A tentativa de golpe derrotada no Equador expressa que há substantivo fôlego para seguir com as reformas sociais. Com o golpe derrotado, Rafael Correa sai fortalecido, inclusive para aprofundar as medidas de controle popular da economia e do Estado. Foi possível derrotá-lo, entre outros fatores, pela ágil e massiva mobilização popular, espontânea e organizada pelo governo. O povo equatoriano agiu mais rápido que o exército: estava disposto a enfrentar corpo a corpo a polícia revoltosa para proteger seu representante democrático e seu projeto nacional.  ……LEIA MAIS

Sobre os acontecimentos no Equador: a imprensa e a tentativa de golpe

Jorge Estrella, do Ministério de Coordenação Política do Equador (por email)

Lhe conto que durante todo o ano a imprensa atacou de maneira permanente ao governo. Entre os mais virulentos se encontram os jornalistas dos veículos que, como estabelece a Nova Constituição, tem até fim de outubro deste ano para serem vendidos, caso seus proprietários executem atividades diferentes como inversões financeiras e bancárias, etc. Avançam as conquistas sociais, e também o fortalecimento de um novo regime, que permita aplicar o chamado Plano Nacional de Desenvolvimento. Esse Plano pretende organizar a exploração dos recursos naturais em benefício do ser humano.…… LEIA MAIS.

O Equador, visto por dentro: os eventos do dia 30/09.

Jorge Estrella, do Ministério de Coordenação Política do Equador (por email)

Se descarta que o ocorrido esteja vinculado a reivindicações salariais, já que durante este governo o salário dos membros da tropa policial subiu até 148%, além da corporação ter sido dotada de novos armamentos e equipamentos de segurança pessoal. O levante funcionou como um relógio: começou com a tomada do regimento Quito, e pouco a pouco foi tomando conta dos aeroportos, e outros regimentos. Se obrigou aos assembleístas a abandonar a sede da Assembléia Nacional com uso da força. (Esta é uma razão forte, já que se queriam a reforma da lei, a idéia é que a Assembléia funcione e não que feche, como fez a policia, que nos arredores do Congresso se chama “escolta legislativa”). ……LEIA MAIS.

HONDURAS

1.346.876 hondurenhos assinaram “SIM A CONSTITUINTE”!

POR DICK E MIRIAN EMANUELSSON

TEGUCIGALPA / 17/09/2010 – À sombra das baionetas e um rosto cada dia mais visível do fascismo, o povo hondurenho tem escrito a história. A Frente Nacional de Resistência Popular, FNRP, através de seu subcoordenador, Juan Barahona, informou nesta sexta-feira que 1.346.876 hondurenhos assinaram a petição “SIM À CONSTITUINTE”! Na cerimônia estavam presentes os 15 membros, que constituem a direção nacional da FNRP. E diante dos jornalistas nacionais e internacionais foi lido o comunicado da Frente, onde o resultado foi formalizado após quatro meses de trabalhos intensos em todo o território nacional. ……LEIA MAIS.

 

ANEXO: Eleições 2010

Esboço para Política Internacional do Programa de Governo do PSOL

Escrevi uma contribuição sobre política internacional para o programa do PSOL nestas eleições de 2010. É uma tentativa de caracterizar a atual localização geopolítica e econômica do Brasil no cenário mundial, tendo em vista as principais mudanças ocorridas no mundo e, como não poderia deixar de ser, os oito anos do governo Lula no Brasil, que ajudam a explicar o volume inédito de transferência de votos atingido pela candidata Dilma. Há por fim propostas de políticas de relações exteriores que adotaremos num governo PSOL.

Saudações internacionalistas!

Pedro Fuentes

Anúncios

Os comentários estão fechados.

%d bloggers like this: